São Caetano do Sul,

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Regildenia, a mais nova integrante do quadro da FIFA


Convocada para o seu primeiro Campeonato Internacional, Regildenia fala sobre sua trajetória em entrevista:

Driblar preconceitos, viver sob pressão de atletas no campo e jamais ter receio de punir infratores com o cartão amarelo ou vermelho. A velha máxima de que “futebol é coisa para homem” não está no vocabulário de Regildênia de Holanda Moura, a Gil, 36 anos, moradora no Jardim Detroit, em São Bernardo. Desde 2004, é uma das três melhores árbitras da FPF (Federação Paulista de Futebol), onde ingressou após passar em muitos testes.

Em 2007, Gil foi incluída também no quadro da CBF (Confederação Brasileira de Futebol). A partir daí, passou a viajar por esse interior afora e buscou forças para a sua auto-afirmação. Afinal, a oportunidade de apitar na Primeira Divisão (após trabalhar nas Séries A2, A3 e Segundona) bateu mais rápido do que previa à sua porta. Em seu álbum, ela valoriza fotos dos principais jogos e partidas de final de ano com a estrela Marta, Rubens Barrichello, Carlos Alberto Parreira e Felipe Massa.

Separada, sem filho, Gil começou a apitar futebol na várzea em 1990 nos campeonatos da Liga de São Bernardo. Já apitou decisão da tradicional Copa Kaiser e optou por ser árbitra central, e não apenas assistente. “Juiz ganha R$ 2 mil por partida e assistente apenas a metade. Portanto, eu quero estar no centro do campo comandando. Sou feliz assim.”

Desde os tempos do “terrão na várzea”, segundo Gil, ela sempre foi vaidosa fora de campo: usa batom, cremes caros, perfumes, pinta o cabelo, unhas e se veste bem para chegar aos estádios. Dentro de campo, Gil muda sua personalidade, assume a postura de árbitra e se faz respeitar. “Meu ex-marido já me dizia: você é mandona.”

Nascida na pequena cidade de Ouricuri, Pernambuco, Gil veio morar no ABCD com pouco mais de 10 anos. “A Gil sempre foi muito determinada, é respeitada e merece tudo o que conseguiu até hoje”, elogia o vice-presidente da Liga, Saul Lino.

A árbitra não quer filhos em função da carreira, excesso de viagens e, principalmente, por estar na Primeira Divisão. Para Gil, a ex-árbitra Sílvia Regina “abriu as portas” para a mulher na profissão, mas admite ser fã de um homem, o também juiz Wilson Luiz Seneme.

Por Edélcio Cândido / ABCD Maior

PARABÉNS PELA CONQUISTA RÊ, BOA SORTE NA CARREIRA INTERNACIONAL!
E AGUARDEM PQ ELA VAI DAR OQ FALAR....
GRAZI

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Atletas vivem noite de gala no Theatro Municipal do Rio

Luís Bulcão - Direto do Rio de Janeiro 

Foto: Satiro Sodré/Agif/Gazeta Press
Calções e camisetas, vestimenta costumeira para a turma que transpira em busca de medalhas para o Brasil, foram deixados no armário. Esta segunda-feira foi noite de vestidos e ternos para Maurren Maggi, Fabiana Beltrame, Fabiana Murer, César Cielo e outros 44 esportistas que receberam o Prêmio Brasil Olímpico 2011, concedido pelo COB para o melhor atleta do ano em cada modalidade.
Nos intervalos da premiação, apresentações de música e dança contaram a trajetória do atleta brasileiro até o ano olímpico - começando por Pequim, palco das última edição dos Jogos Olímpicos em 2008, passando por Lisboa, onde ocorreram os jogos da Lusofonia em 2009, por Medelin, que recebeu os IX Jogos Sul-Americanos, e Guadalajara, sede dos Jogos Pan-Americanos de 2011. 

A última apresentação, liderada por Zélia Duncan, que cantou um pout-pourri de Beatles com Here Comes the Sun e I Wanna Hold Your Hand, aterrissou em Londres, sede da Olimpíada de 2012. 

Além dos atletas, receberam homenagens os técnicos Rubén Magnano, que levou o basquete masculino brasileiro de volta aos Jogos Olímpicos, e Rosicleia Campos, a "Tia Rosi", que comanda a Seleção olímpica de judô. Bernard Rajzman, ex-jogador de vôlei, integrante da Seleção prata em Los Angeles (1984) e inventor do saque "jornada nas estrelas", foi homenageado com o troféu Adhemar Ferreira. 

Após a cerimônia, visivelmente emocionado, Bernard - que será Chefe da Missão Brasileira em Londres - disse que não lamenta não ter alcançado o ouro em 1984. "No Brasil, temos o costume de valorizar só o campeão. Mas não é assim. Há muitos competindo e às vezes não se consegue atingir o grande objetivo. Manter a intenção do título é muito difícil e o vôlei do Brasil hoje está lá sempre entre os primeiros", afirmou. 

Cielo e Murer ficaram com o grande prêmio da noite, melhor atleta masculino e feminino, eleitos por voto na internet após seleção de atletas feita por um colégio de eleitores compostos por jornalistas, técnicos dirigentes e ex-atletas.


Fonte: http://www.terra.com.br/

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Seleção feminina conquista o Ouro no Torneio Cidade de São Paulo

 
Foto:campomaioremfoco.com.br
Principal estrela no título da Seleção Brasileira de futebol feminino, a versátil Érika não quis saber de vaidades e esbanjou humildade após a final neste domingo. Apesar de ter brilhado na decisão do Torneio Cidade de São Paulo e também nos jogos anteriores, ela responsabilizou o técnico do Brasil, Jorge Barcellos, pela vitória diante da Dinamarca. Segundo a heroína do Brasil, o resultado de 2 a 1 só foi possível por causa de uma mudança tática na qual ela foi protagonista. 

Érika começou como zagueira nos outros três jogos da Seleção. Durante as partidas, ela chegou a ir para o meio-campo e para o ataque, mas só na final foi escalada desde o princípio como volante. E foi dessa forma que ela fez dois gols e decretou a virada contra a Dinamarca. "A tática foi primordial. A gente precisava de mais gentena frente e dessa vez eu fui pra volante. Com isso a gente teve mais gente para atacar", analisou. 

O primeiro gol de Érika aconteceu após confusão na área e o segundo foi um golaço, com um chute de primeira de fora da área. Mesmo assim, ela dividiu os méritos da vitória com suas companheiras: "não faço nada sozinha. Elas fazem a parte delas e, se a bola sobrou para mim, é porque as outras estavam marcando nos seus lugares. O elenco todo está de parabéns", discursou ela, politicamente. 

Apesar de ter dominado o jogo durante todo o tempo, o Brasil saiu atrás no placar e chegou a ficar nervoso com a possibilidade da derrota em casa, em pleno Pacaembu. Érika contou que no intervalo as jogadoras tinham assumido um compromisso: "no intervalo a gente disse que esse ouro não ia sair das nossas mãos. Cristiane disse o mesmo e complementou: "no segundo tempo a gente melhorou na partida e sufocou o tempo todo", comemorou a centroavante do Brasil. 

As duas, porém, negaram que a vontade de vingança tenha motivado o elenco. A Dinamarca tinha vencido o Brasil por 1 a 0 na última quinta-feira e, neste domingo, o clima foi quente em campo. "Não dá para colocar como vingança. Dá para colocar como aprendizado", disse Cristiane, apoiada por Érika: "a gente só estava concentrada em busca de um resultado perfeito", minimizou. 

O técnico Jorge Barcellos, que reestreou na Seleção Brasileira neste torneio, disse que o Brasil ainda precisa evoluir: "estamos no começo do processo. tem muito trabalho a ser feito, muitas coisas a serem treinadas. Vamos lapidar as meninas chegar ao nível que a Olimpiada pede, que é um nivel de exigência maior que esse", comentou ele, que nesta passagem só enfrentou seleções que não disputarão os Jogos de 2012 - Dinamarca, Itália e Chile. 

Foi a segunda vez que a Seleção feminina conquistou o Torneio Cidade de São Paulo. A primeira foi em 2009 e, em 2010, o time perdeu para o Canadá. Agora a equipe feminina fechou a temporada e continuará a preparação para as Olimpíadas em 2012, quando enfrentará pelo menos Japão e Estados Unidos em amistosos.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Handebol:Brasil encara Croácia por campanha inédita no Mundial


Foto: Edson Lopes Jr./Terra
Após a decepção pela eliminação para a Espanha nas quartas de final do Campeonato Mundial feminino de handebol na quarta-feira, a Seleção Brasileira retorna ao Ginásio do Ibirapuera nesta sexta para melhorar sua participação no torneio. Diante da Croácia, às 14h30 (de Brasília), a equipe verde-amarela comandada por Morten Soubak vai em busca da quinta colocação e de uma despedida da competição com a cabeça erguida no domingo, com um feito inédito na história. 
Desde o bom início do Mundial de São Paulo, o time brasileiro tinha como objetivo terminar no pódio do torneio. A derrota dramática por 27 a 26 para as espanholas estragou o sonho da Seleção, que agora tenta melhorar o resultado obtido há seis anos: o sétimo lugar conquistado na Rússia, campanha mais abastada do handebol nacional.
"O Mundial ainda não acabou para a gente", lembrou a pivô Dani Piedade, com um discurso muito parecido com as demais atletas da Seleção, que encantaram o Ginásio do Ibirapuera com a campanha invicta até o revés da última quarta. "Vamos nos concentrar e mostrar que podemos fazer uma grande campanha, mesmo não chegando às semifinais. Queremos o quinto lugar, que também é inédito", reforçou a armadora Deonise.
No entanto, não será tão simples assim esquecer o revés para a Espanha, em um caldeirão ensurdecedor no qual havia se transformado o Ibirapuera. Até mesmo porque a expectativa é de um público muito menor em relação aos 6 mil presentes no duelo de quartas de final. Em um jogo programado para as 14h30, ainda durante o horário comercial, é mais do que provável que a procura por ingressos seja baixíssima.
Mas, além disso, o dinamarquês Soubak está ciente do baque que a queda diante da Espanha produziu no elenco brasileiro. "A vida é um pouco diferente a partir de agora. Vamos tentar levantar da melhor maneira possível e enfrentar os próximos jogos", comentou o treinador da Seleção Brasileira.
A vitória sobre as croatas já transformaria, em questão de resultados, o desempenho brasileiro em São Paulo o melhor na história dos Mundiais. Isso porque as equipes vencedoras desta etapa decidirão no domingo quem terminará no quinto e no sexto lugar do campeonato. As que perderem brigarão pelo sétimo posto.
O rival mais provável em caso de triunfo contra as europeias será a Rússia, eliminada pela França na primeira das quatro partidas de quartas de final. As representantes do Leste Europeu, campeãs do último Mundial, enfrentarão Angola no primeiro jogo do dia no Ibirapuera, às 11h45.

Fonte: http://www.terra.com.br/

JUDÔ:Érika Miranda conquista bronze na China; Kitadai não passa da estreia


Foto: AP

O Brasil faturou uma medalha logo no primeiro dia de disputa do Grand Prix de judô de Qingdao, na China. Érika Miranda foi bronze, na manhã desta sexta-feira, na categoria até 52kg. Já Felipe Kitadai, até 60kg, ficou fora da briga pelo pódio, pois perdeu logo na primeira luta. A competição conta pontos para o ranking mundial e para a corrida rumo aos Jogos Olímpicos de 2012, em Londres.
Erika bateu a marroquina Hanane Kerroumi, a italiana Rosalb Forciniti e a francesa Priscila Gneto. Na sequência, porém, perdeu as semifinais para Bundma Munkhbaatar, da Mongólia. Na disputa pelo bronze, levou a melhor sobre a chinesa Hongme He, garantindo assim 80 pontos no ranking.
Ouro nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, Kitadai chegou como um dos favoritos e, após ficar de bye na primeira rodada, foi derrotado em seu primeiro desafio, válido pelas oitavas de final. O francês Issam Nour triunfou por um yuko.
No sábado, o Brasil será representado por Bruno Mendonça (-73kg) e Flávio Canto (81kg) no masculino, e Camila Minakawa (63kg) no feminino. O GP chinês é o último do ano.

Fonte: http://www.terra.com.br/

Marta culpa defesa do Brasil por derrota; técnico e jogadoras discordam


 
Foto: Ricardo Matsukawa/Terra
Allan Brito
Direto de São Paulo
A Seleção Brasileira de futebol feminino sofreu um duro golpe neste quinta-feira. A derrota por 1 a 0 para a Dinamarca fez com que a equipe nacional perdesse a vantagem do empate na decisão do Torneio Cidade de São Paulo. E a culpa disso é do sistema defensivo - pelo menos na opinião da principal estrela do time, a meia-atacante Marta.
Questionada sobre qual foi o maior erro do Brasil na partida, ela criticou a defesa e disse que isso precisa melhorar para a decisão, que também será contra as dinamarquesas. "O erro foi a marcação. A defesa não pode dar espaço para elas. A marcação não foi das melhores mesmo", comentou ela, que até agora só fez um gol na competição e tem tido atuações de pouco brilho.
Outro problema apontado por Marta foi a falha defensiva nas jogadas aéreas. Se nas outras partidas isso foi um ponto forte da Seleção, nesta quinta-feira a arma se voltou contra a equipe, já que o gol da Dinamarca saiu após uma cobrança de escanteio. "Tem que dar mais atenção às bolas paradas. Nosso maior erro foi a bola parada", observou ela.
Por outro lado, as jogadoras do Brasil e até o técnico Jorge Barcellos preferiram culpar o sistema ofensivo e principalmente o meio-campo pela derrota. "A gente jogou mais sem a bola do que com a bola. Elas envolveram nosso time no meio", avaliou Gabriela, que ainda foi na contramão das declarações de Marta. "Não adianta sacrificar um setor. O grupo todo tem que estar comprometido", comentou.
A goleira Andreia Suntaque também viu mais problemas no setor ofensivo do time. "A gente perdeu o meio-campo para elas. A Dinamarca jogava melhor no meio. Espero que a gente possa trabalhar melhor no meio-campo na próxima partida", torceu ela, que teve que fazer pelo menos duas defesas difíceis para evitar um vexame maior da Seleção.
Já Jorge disse que as zagueiras e meio-campistas do Brasil deveriam ter subido mais pro ataque. E ainda foi simplista ao responder o que precisa mudar no próximo jogo para que o Brasil vença. "É só não errar coisas simples. É isso que nós vamos tentar na final", resumiu ele.
No próximo domingo, também no Pacaembu, a Seleção fará a decisão contra a Dinamarca e precisará vencer para conquistar o Torneio Cidade de São Paulo. Na edição do ano passado, a equipe disputou a final contra o Canadá, ficou no empate e, por ter feito uma campanha pior na primeira fase, perdeu o título em casa. Em 2009, a decisão foi contra o México, mas dessa vez o troféu foi conquistado pelo Brasil com uma goleada por 5 a 2.

Fonte: http://www.terra.com.br/

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Goleira artilheira marca de novo, gera "polêmica" e tem gol anulado

Foto: AFP

A goleira Bárbara já havia decidido a vitória por 34 a 33 sobre a Tunísia, na sexta-feira ainda pela primeira fase, com um gol do outro lado da quadra. Nesta segunda, já pelas oitavas de final, a camisa 12 da Seleção Brasileira feminina de handebol resolveu arriscar novamente no encerramento do jogo, com a vitória por 35 a 22 sobre a Costa do Marfim já definida. E a gaúcha, por incrível que pareça, conseguiu - diga-se, com uma ajudinha da arqueira adversária Ndri Kangah.
O gol de Babi, assim como na sexta-feira, alegrou bastante o time brasileiro - que, de quebra, celebrava também a vaga nas quartas de final do Mundial. No entanto, desta vez, o lance gerou polêmica na mesa de arbitragem, que chegou a contabilizar o 36º gol do Brasil e logo em seguida acabou invalidando a jogada, alegando que a partida já havia sido encerrada quando a bola cruzou a linha.
Os juízes, em um primeiro momento, validaram a jogada e o placar eletrônico do Ginásio do Ibirapuera também deu a partida como encerrada por 36 a 22. Rapidamente, porém, o mostrador retirou o gol de Babi. Mesmo assim, a goleira saiu da quadra para conceder entrevista, foi cercada por repórteres e festejou o gol. Citou até o são-paulino Rogério Ceni como grande ídolo.
"Gosto muito dele, que além de um grande goleiro é simples e humilde", disse Babi, que deixou bem claro: não é são-paulina, mas gremista. "Apesar de torcer para o Grêmio, sempre gostei muito do Rogério. Mesmo sendo o grande ídolo que é, ele não se deixa ser arrogante", elogiou.
Babi, inclusive, havia recebido a informação de que seu gol havia sido legal. Segundo a goleira, a mesa de arbitragem havia validado a jogada quando questionada pela supervisora da Seleção, Rita Orsi. No entanto, menos de 30 minutos depois, foi ratificada a anulação. De maneira oficial.
Mesmo sem o gol de Babi, o Brasil venceu com tranquilidade a Costa do Marfim por 35 a 22 e se classificou para as quartas de final do Mundial, realizado em São Paulo. A Seleção volta ao Ginásio do Ibirapuera na quarta, quando pegará a Espanha, às 20h (de Brasília).

Fonte: http://www.terra.com.br/

Brasil promete "guerra" contra Espanha para fazer história no handebol

                    

Foto: Edson Lopes Jr./Terra
Felipe Held
 
A vaga para as quartas de final do Campeonato Mundial feminino de handebol ainda não é o bastante para a Seleção Brasileira. Depois da classificação com a vitória desta segunda-feira por 35 a 22 sobre a Costa do Marfim, o técnico Morten Soubak se disse confiante para enfrentar a Espanha na quarta-feira e avisou que o elenco verde e amarelo não deixará passar a chance inédita de se garantir em uma semifinal deste porte pela primeira vez na história.
"Eu tenho a certeza de que essas meninas vão para a quadra na quarta-feira para se matarem e fazerem história no handebol brasileiro, classificando-se para as semifinais", disse Soubak, que, enquanto falava, tinha a central Ana Paula ao lada balançando afirmativamente e respaldando sua opinião.
"Tenho certeza disso", repetiu Morten, que, entretanto, ainda espera ver mais torcedores no Ginásio do Ibirapuera. Apesar de ter conseguido nesta quarta seu recorde de público no torneio (4 mil, segundo dados da Federação Internacional de Handebol), a arena paulistana esteve longe de estar lotada. Na verdade, 4 mil pessoas representam um pequeno percentual de 36% da capacidade do local, que pode suportar até 11 mil espectadores.
A Espanha, assim como a maioria dos países europeus, é uma grande força do handebol. Tanto que, em 2009, conseguiu chegar à semifinal do Mundial e terminar na quarta colocação. Mas o status das futuras rivais não intimida a central Ana Paula. "Elas podem ter mais nome e mais títulos que a gente, mas o jogo dura 60 minutos e é ali na quadra. Não há favoritos", pregou a camisa 9.
O Brasil, que tem como melhor resultado em um Mundial feminino a sétima colocação obtida há seis anos, na Rússia, não esconde que o maior desejo para este final de 2011 é conseguir, ao menos, subir no pódio em São Paulo. Para isso, porém, seria necessária a classificação para as semis. E Morten Soubak é cauteloso ao falar da chave brasileira.
"É muito fácil falar sobre o que estou pensando da nossa chave daqui para a frente: não acho nada", descontraiu o dinamarquês. "Estamos pensando só na Espanha, depois não sei o que vem. Preciso ganhar para poder planejar outras coisas. Se não venço, a vida acaba. Temos que mentalizar somente em como ganhar da Espanha", sintetizou.
Brasileiras e espanholas se enfrentam na quarta-feira, no Ginásio do Ibirapuera, às 20h (de Brasília). Quem vencer pegará nas semis o vencedor do choque entre Noruega (atual campeã olímpica) e Croácia, que fazem a preliminar, às 17h15. Do outro lado da chave, Rússia e França reeditam a final do Mundial de 2009, enquanto a surpreendente Angola encara a Dinamarca.

Fonte: http://esportes.terra.com.br/rumo-a-2012/noticias/0,,OI5515683-EI17322,00-Brasil+promete+guerra+contra+Espanha+para+fazer+historia+no+handebol.html

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Murer projeta 2012 vitorioso ao manter "fórmula do sucesso" desta temporada

 
Foto: Bruno Santos/Terra
 
Este ano de 2011 tem tudo para ficar marcado na memória de Fabiana Murer com o título conquistado em Daegu, na Coreia do Sul. Em solo asiático, a brasileira sagrou-se campeã mundial de salto com vara e após a marca inédita para o esporte nacional, Murer projeta um próximo ano ainda mais positivo mantendo a forma de trabalho que vem sendo feita ao longo destes últimos anos.

"Estou treinando para ter uma temporada ainda mais vitoriosa, sem dúvidas. 2012 é um ano importante, ano de Olimpíadas, então meu foco, meu objetivo e minhas atenções estão todas voltadas para os Jogos de Londres", disse Murer.
Homenageada nesta segunda-feira ao plantar uma árvore com seu nome no Bosque da Fama, em São Paulo, a atleta deixou claro que não deverá promover mudanças significativas nos seus treinamentos, visando à disputa de Londres. Os Jogos Olímpicos serão disputados entre os dias 27 de julho e 12 de agosto.
"Venho treinando em São Caetano e no Centro de Treinamento do Pão de Açúcar. Vou continuar revezando meus trabalhos nestes locais e não vou mudar minha forma de treinos. É um ano olímpico e esta é a fórmula que esta dando certo e temos que mantê-la para não termos erros e ainda evitar lesões", encerrou.

Fonte: http://www.terra.com.br/

Futebol: Brasil goleia Chile com tranquilidade e se classifica para final

                                        Foto:planetaboleiros.wordpress.com                      

Allan Brito
Direto de São Paulo
Foi com tranquilidade que a Seleção Brasileira de futebol feminino goleou o Chile por 4 a 0, neste domingo, em jogo válido pelo Torneio Cidade de São Paulo. Foi a segunda goleada do Brasil em dois jogos nesta competição. Com isso, o time nacional somou seis pontos e já está classificado com antecedência para a final, que será contra Itália ou Dinamarca.
Em um Pacaembu com 8.000 pessoas, a torcida brasileira fez a festa mesmo antes da bola rolar, já que a Escola de Samba Vai-Vai estava presente com parte da sua bateria, que tocou para animar os presentes.
Quando a bola rolou, o show continuou: o Brasil fez três gols em pouco mais de vinte minutos do primeiro tempo, aproveitando-se principalmente de sua jogada mais forte, as bolas cruzadas na área. Érika, Rosana e Thaisinha balançaram as redes e acabaram com a retranca adversária. Com um time baseado nas atletas do Colo Colo, vice-campeão da Copa Libertadores feminina, o Chile não conseguiu assustar, até por causa da inexperiência de suas atletas - a mais velha tinha 24 anos.
Na segunda etapa o domínio brasileiro só aumentou e a festa do torcida cresceu junto. O técnico Jorge Barcellos aproveitou para fazer testes e dar experiência para algumas jogadoras, trocando até a goleira. Mesmo assim, o Brasil aumentou o placar, com gol da ala Fabi.
O Torneio Cidade de São Paulo é um quadrangular, no qual duas seleções se classificam para a final, que acontecerá no próximo domingo. Na outra partida desta rodada a Itália conquistou seu primeiro ponto ao empatar por 2 a 2 com a Dinamarca, que já soma quatro pontos na competição e será a adversária do Brasil na próxima quinta-feira, pela terceira rodada do torneio.
O jogo
A partida começou como o técnico Jorge Barcellos esperava: o Chile, escalado no 4-5-1, se preocupou apenas em defender e deixou a posse de bola com o Brasil, que criou lances de perigo desde o começo, principalmente com Marta, pela ponta esquerda. Aos 7min, Fran também conseguiu criar boa chance com um chute cruzado, defendido por Endler com segurança.
Mas foi aos 13min que a goleira chilena se destacou de vez, em dois lances, para o bem e para o mal. Primeiro ela defendeu uma perigosa cobrança de falta de Fran. Logo depois, na cobrança do escanteio, Endler saiu mal do gol, Érika cabeceou bem e fez seu segundo gol na competição.
O Chile tentou responder aos 18min, quando, após confusão na área, a bola sobrou para Santibañez, que chutou para o gol, mas falhou na pontaria e mandou para fora.
O castigo veio em seguida, aos 21min, mais uma vez em cobrança de escanteio. A zagueira Aline Pellegrino escorou para Rosana acertar um chute de esquerda, de primeira. O jogo foi interrompio para uma parada técnica aos 23min e foi só a bola rolar para que o terceiro gol do Brasil saísse. Após cruzamento da direita, a bola sobrou para Thaisinha, sozinha, fazer o seu gol.
A pressão do Brasil continuou e, aos 28min, Cristiane acertou um passe para Marta entrar sozinha na área. Mas Endler saiu bem do gol e evitou a finalização da camisa 10 brasileira. Dez minutos depois, saiu o quarto gol do Brasil, mas foi anulado por impedimento de Cristiane e o primeiro tempo terminou mesmo 3 a 0.
Com 1min no segundo tempo o Brasil já conseguiu assustar o Chile de novo. Cristiane driblou duas chilenas e lançou para Marta, que chutou da ponta esquerda e a bola passou perto do travessão. Aos 7min, a ala esquerda Rosana também teve sua oportunidade. Ficou de frente para o gol, mas ao driblar uma defensora, cortou a bola para direita e teve que chutar com sua perna ruim, mandando a bola para fora.
E foi em mais uma jogada áerea que o Brasil ampliou sua vantagem: aos 10min, após escanteio, Érika tocou de cabeça para Fabi, que rapidamente virou e chutou para o gol, dentro da pequena área, sem chances para Endler. Um novo susto para o Chile aconteceu aos 22min, quando Gabriela e Rafaelle ficaram na frente da goleira, mas Endler evitou o gol.
Após a parada técnica, a torcida passou a gritar "olé" a cada toque das jogadoras e Marta perdeu a chance de completar a alegria dos brasileiras. Lançada em velocidade na área, ela ficou de frente para o gol, mas chutou por cima. Fabi também pôde aumentar a goleada, mas desperdiçou a chance e o placar final ficou mesmo 4 a 0.

Fonte: http://www.terra.com.br/

Por ouro olímpico, Marta atua em função mais recuada na Seleção

 
Foto: Aloísio Maurício/Terra
 
Jorge Barcellos passou dois dos três anos que ficou afastado da Seleção Brasileira de futebol feminino nos Estados Unidos, potência na modalidade, e retomou seu cargo na equipe nacional prometendo alterações para o País deixar de ser "quase" e alcance conquistas importantes. A primeira mudança é fazer com que Marta fique mais no meio-campo para que o time crie mais chances de gol.
"Trouxe a Marta para trás, para o meio-campo ficar mais criativo", comentou o treinador, há uma semana exercendo a função em treinos e jogos novamente e que tem o Torneio Cidade de São Paulo, quadrangular envolvendo também Dinamarca, Itália e Chile, como primeiro trabalho visando a preparação à Olímpiada de Londres.
"Estamos usando o torneio para corrigir nossos erros. Precisamos pensar em medalha de ouro no ano que vem", contou Aline Pellegrino, reforçando o pensamento do comandante em relação ao futuro.
Em processo de adaptação, Marta vê evolução na nova tarefa na Seleção. Crê que o time melhorou já na vitória por 4 a 0 sobre o Chile, nesse domingo, em relação à estreia no Torneio Cidade de São Paulo, quando o Brasil aplicou 5 a 1 sobre a Itália, na última quinta-feira.
"Essa formação foi melhor do que contra a Itália. Estamos jogando soltas na frente. Eu, a Cris, Cristiane e a Thaisinha não temos posição fixa. É interessante porque temos uma criatividade maior e não cansamos tanto para marcar", elogiou a camisa 10, considerada a melhor jogadora do mundo nas cinco últimas eleições da Fifa.
Na próxima quinta-feira, diante da Dinamarca, Jorge Barcellos promete reforçar a identidade que tenta impor à equipe, que, com ele, foi vice-campeã olímpica em 2008 e vice-campeã mundial em 2007. O técnico minimiza o valor das goleadas na avaliação que faz de seu trabalho.
"Jogamos pelo resultado. A goleada vem do espaço dado e o trabalho feito no jogo", apontou. "Nossas laterais atacam intensamente o tempo todo, o ataque, a defesa e o meio-campo também estão taticamente bem, mas não acredito que a Seleção esteja pronta, começamos a trabalhar há uma semana. Ainda estamos criando uma cara."

Fonte: http://www.terra.com.br/

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Brasil goleia Angola no futsal feminino e enfrentará Rússia

Foto: futsalinterior.com.br

Atual campeã, a Seleção Brasileira feminina de futsal goleou, nesta quarta-feira, a fraca equipe de Angola por 12 a 0. O Brasil já estava classificado à semi do Mundial e, com o novo triunfo, garantiu o primeiro posto do Grupo B. O torneio tem como palco o Ginásio Paulo Sarasate, em Fortaleza (CE).
Na semifinal, o time comandado pelo técnico Vander Iacovino enfrentará a Rússia, segunda colocada do Grupo B. Do outro lado da chave, a Espanha, que derrotou a Venezuela nesta quarta por 9 a 3, e duelará com "vizinho" territorial Portugal. Os confrontos serão já na quinta-feira.
Em quadra apenas para cumprir tabela, a esquadra verde-amarela foi à quadra recheada de reservas. Mesmo assim, a superioridade foi gritante. Os gols nacionais foram marcados por Gaby (três vezes), Marcela (duas vezes), Cely, Ariane, Jéssika, Jessiquinha e Juliana Delgado. A maior artilheira da história da seleção, Lucileia, não titubeou e também deixou sua marca em duas oportunidades.

Fonte: www.terra.com.br

Vôlei Futuro bate Osasco e fatura 1º título importante


Foto: Fabio Rubinato/Agf/Divulgação

A equipe feminina do Vôlei Futuro, enfim, fez jus ao investimento e conquistou, nesta quarta-feira, o seu primeiro título de relevância: o Campeonato Paulista. A taça foi obtida após vitória sobre o Sollys/Osasco por 3 sets a 1, parciais de 25/20, 20/25, 25/20 e 25/20. Com o resultado, o time do interior fechou a série melhor de três por 2 a 1.
O título deixou as meninas na mesma situação dos homens, que foram campeões estaduais na temporada passada. Com o troféu assegurado, o objetivo passa a ser agora a disputa da Superliga, que terá início na sexta-feira.
O jogo
Motivado com a vitória no segundo jogo, o Osasco ignorou a pressão da torcida presente no Ginásio Plácido Rocha e abriu, logo de cara, 5 a 1. As anfitriãs, porém, não se intimidaram e correram atrás do prejuízo. E, contando com o braço forte de Fernanda Garay, a equipe de Araçatuba virou o placar e levou o primeiro set, que terminou depois de uma invasão por baixo do time da capital.
Na segunda parcial, a dinâmica se inverteu. As comandadas do técnico Paulo Coco começaram mais atentas. Mas, com o desenrolar da partida, as "laranjas" acordaram, sobretudo com as ponteiras Ju Costa e Jaqueline, e passaram a ditar o ritmo. E, mesmo errando bastante, as paulistanas devolveram o placar do primeiro set e deixaram tudo igual.
A queda de rendimento foi consertada no terceiro set. Focado, o Vôlei Futuro partiu para cima e encurralou o rival, que é o atual vice-campeão nacional. Desde o início, as interioranas abriram uma vantagem considerável, a qual foi mantida até o fim.
O triunfo embalou o Vôlei Futuro. Com Paula Pequeno e Garay com confiança, a recepção do Osasco encontrou dificuldades e pouco pôde fazer para complicar a vida do time de Araçatuba, que fez a festa após o duelo.

Fonte: http://www.terra.com.br/

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Seleção Brasileira de ginástica artística é convocada mirando Jogos de 2012

Foto:clicrbs.com.br

A Seleção Brasileira de ginástica artística feminina inicia sua concentração nesta quinta-feira para a disputa de um evento teste para os Jogos Olímpicos de Londres. A equipe se encontra no Rio de Janeiro, onde treinará até o dia 23 de dezembro para a competição.
Ao todo, o grupo conta com nove ginastas: Adrian Gomes, Daiane dos Santos, Bruna Leal, Ethiene Franco e Harumy de Freitas, Daniele Hypolito, Gabriela Soares, Jade Barbosa e Priscila Cobello foram convocadas.
"Sabíamos que teríamos dificuldades de nos classificarmos para as Olimpíadas diretamente no Mundial. No Japão, conversamos sobre como seriam os treinamentos, caso fossemos mesmo para o evento teste, e todas concordaram que as atividades se concentrassem no Rio de Janeiro. O Flamengo dispõe de um tablado novo e uma mesa de salto com o mesmo material que será usado em Londres". explicou Georgette Vidor, coordenadora da equipe.
Vidor ainda destacou a importância dos treinamentos na conquista de uma vaga para os Jogos de 2012. "O objetivo é limpar as séries das meninas e fazer avaliações para verificar quem realmente suporta cargas fortes de treinos e quais estão totalmente preparadas para a competição. Em outubro, seguramos um pouco porque o Pan viria logo após o Mundial. Mas agora é hora de aperfeiçoar todos os detalhes que faltam. Para sonharmos com a classificação, precisamos trabalhar", encerrou.
Após os treinamentos, a delegação embarcará no dia 7 de janeiro rumo à Inglaterra para um período de aclimatação. O torneio terá início no dia 8 e será encerrado no dia 18, na North Greewich Arena.

Fonte:http: www.gazetaesportiva.net

No hand: Brasil busca virada histórica e bate vice-campeãs mundiais


 
 
Foto:Edson Lopes Jr./Terra
A Seleção Brasileira conseguiu uma vitória incrível nesta terça-feira no Campeonato Mundial feminino de handebol e garantiu com antecipação a vaga para as oitavas de final. Diante da poderosa França, atual vice-campeã do torneio, o time verde-amarelo superou os próprios erros, buscou uma reação épica no segundo tempo e saiu de quadra com a vitória por 26 a 22, na liderança do Grupo C ao final da terceira rodada e empolgando o Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo.
Depois de virar para o intervalo perdendo por 17 a 10, o Brasil teve uma atuação épica na etapa decisiva. Com a veterana Chana fechando o gol no segundo tempo e contando com um barulho enorme das arquibancadas, além de uma mudança tática feita pelo técnico Morten Soubak, a Seleção tirou a diferença do placar em pouco mais de 15 minutos e manteve o aproveitamento de 100%, com a terceira vitória no Mundial.
Com isso, o Brasil chegou aos seis pontos e não pode mais ser alcançado pelo Japão, quinto colocado com um. A Romênia aparece em segundo com cinco, enquanto a França caiu para a terceira posição do Grupo C, parada nos quatro. A Tunísia, no quarto posto, fecha a zona de classificação da chave, enquanto Cuba, com três derrotas, aparece zerada na lanterna.
Antes do duelo entre brasileiras e francesas, a terceira etapa da primeira fase do grupoteve um equilibradíssimo duelo entre Romênia e Japão, que empataram por 28 a 28 em um jogo dramático: as asiáticas, que precisavam da vitória para seguirem sonhando com uma vaga às oitavas de final, conseguiram igualar no estouro do cronômetro. Antes, em duelo de duas equipes até então zeradas na pontuação, a Tunísia somou seu primeiro triunfo ao bater Cuba por 32 a 29.
Agora, as seleções do Grupo C ganham a quarta-feira de folga e só retornam ao Ginásio do Ibirapuera na quinta, para a quarta e penúltima rodada da chave. Fechando o dia, o Brasil encara a Romênia às 19h45 (de Brasília); antes, Japão e Tunísia abrem o dia de partidas na capital paulista às 15h e, às 17h15, a França mede forças com Cuba.
 
Fonte: www.terra.com.br

Com receio de boladas, goleira da França adota óculos no Mundial


 
Foto: Edson Lopes Jr/Terra
Felipe Held
Direto de São Paulo
Uma das principais peças do elenco francês chamou a atenção nas primeiras três rodadas do Campeonato Mundial feminino de handebol, no Ginásio do Ibirapuera. Por conta de um problema de saúde, Cleopatre Darleux precisou disputar o torneio em São Paulo com um acessório insólito, especialmente para uma goleira: óculos. Um apetrecho, aliás, que deixa a atleta visivelmente incômoda e receosa em quadra.
Na metade de 2011, Darleux sofreu uma infecção bacteriana ocular por conta das lentes de contato que costumava utilizar em quadra. Para que a jovem goleira, 22 anos, não perdesse os treinamentos e nem ficasse fora do Mundial, a recomendação médica foi de que a francesa utilizasse óculos para corrigir os três graus de miopia comprometem sua visão.
"Eu sou obrigada a usar isso, mas é muito difícil", contou Darleux, exibindo o modelo que utiliza durante as partidas, similar a óculos de natação, mas que, de longe, se assemelham à mascara do Zorro. "Antes tive uns óculos diferentes, menores, que eram muito ruins e me atrapalhavam demais. Esses são melhores", acrescentou.
Ainda assim, a goleira francesa tem dificuldades em se adaptar ao acessório obrigatório para sua participação no Mundial de handebol. Mais do que isso, Darleux é sincera ao admitir o receio de sofrer uma bolada no rosto, que pode representar mais um hematoma ou, então, danos irreparáveis nas lentes.
"É bem desconfortável usar esses óculos durante a partida. Sempre tenho que limpá-los por fora, ou então tirá-los para desembaçar a lente por dentro. Além disso, olha só como já estou", sinalizou a goleira, apontando para pequenas marcas roxas sob seus olhos. "São dos óculos por causa de boladas que eu já levei", sinalizou.
Colega de profissão de francesa, a goleira brasileira Bárbara entendeu a dificuldade de Darleux. "Olha só como eu jogo: não tenho nenhum acessório de proteção, não gosto. Tudo depende da maneira de se adaptar. Os óculos são perigosos, mas, se fosse necessário, teria que fazê-lo", comentou.
Em São Paulo, durante as três partidas da França no Mundial, Darleux ainda não teve grandes problemas com seus óculos - e espera não passar por nenhum outro contratempo: "eu só trouxe dois modelos para a competição. Se acontecer alguma coisa, vou precisar sair para comprar em alguma loja".
Apesar dos óculos, Cleopatre Darleux vem dando conta do recado na meta francesa. A goleira, utilizada com mais frequência nos segundos tempos de partida, vê a equipe com boas chances de classificação para as oitavas de final: apesar da derrota por 26 a 22 para o Brasil na terça-feira, a França é a terceira colocada do Grupo C e precisa vencer um dos dois jogos que tem pela frente para seguir adiante na competição.

Fonte: http://www.terra.com.br/

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Futsal feminino estreia com goleada na defesa do título mundial


Foto:jessiquinha12.wordpress.com

Atual campeã, a Seleção Brasileira feminina de futsal iniciou a defesa do título do Mundial com uma goleada convincente. A equipe comandada pelo treinador Vander Iacovino venceu a Venezuela por 14 a 0. O torneio tem como sede o Ginásio Paulo Sarasate, em Fortaleza (CE).
Eleita melhor do mundo, a ala Vanessa, do Chapecó, contribuiu com dois tentos. A pivô Lucileia, maior artilheira da história da seleção, balançou as redes duas vezes. Os maiores destaques, porém, foram as alas Jéssika e Marcela, autoras de três gols.
Juliana Delgado (duas vezes), Neguinha e Ariane também marcaram. Outro trunfo foi a goleira Jozi, que defendeu as poucas bolas que vieram à sua meta.
Com o resultado, o Brasil assumiu a ponta do Grupo A. A vantagem para a Espanha se dá pelo saldo de gols, pois as ibéricas bateram Angola por 7 a 1. Pela Chave B, as duas seleções que saíram na frente foram Portugal e Rússia, algozes do Japão e da Argentina respectivamente.

Fonte: http://www.terra.com.br/

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Seleção feminina faz amistosos para "entrar no clima" do Mundial

 
Foto: Vipcomm/Divulgação
 
Para a Seleção Brasileira feminina de handebol, quanto mais partidas forem feitas antes do Mundial da categoria, melhor. Apesar de estrear na próxima sexta-feira na competição sediada por quatro cidades paulistas, a equipe comandada pelo dinamarquês Morten Soubak ainda fará dois amistosos: contra Montenegro, nesta quarta-feira, e Noruega, na quarta.
O confronto com as montenegrinas está marcado para as 19h30 (de Brasília), no Ginásio José Corrêa, em Barueri, enquanto que o embate com as norueguesas será feito na Arena Santos. Os dois locais receberão partidas do Mundial. "É interessante, na semana da estreia, fazer amistosos nos ginásios preparados para o Mundial", apontou a armadora-esquerda Moniky Bancilon.
"Com certeza, contribui bastante para que a gente entre ainda mais no clima da competição, com a torcida presente. Seria diferente se esses jogos fossem em outras quadras", complementou a jogadora, que recentemente participou de outras duas partidas, nas quais o Brasil venceu Espanha e Holanda.
"O Morten vem estudando as outras seleções há dois anos e sempre passa as informações para o grupo. Hoje à noite, faremos a reunião final para falarmos especificamente sobre Montenegro. Acredito que serão partidas fortes, como foram contra Espanha e Holanda", complementou a jogadora, esperançosa por um bom desempenho na competição.
O Brasil está no Grupo C, ao lado de Romênia, França, Tunísia, Cuba e Japão. Vai disputar as partidas da primeira fase em São Paulo, no Ginásio do Ibirapuera. O local também receberá todos os confrontos de finais. Noruega e Montenegro também competirão no Mundial, mas no Grupo B, em Santos, junto de Angola, Alemanha, China e Islândia.

Fonte: http://www.terra.com.br/

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Foz Cataratas/PR é campeão da Copa do Brasil Fem.

Foto:cbf

O Foz Cataratas/PR é o atual campeão da Copa do Brasil de Futebol Feminino. O time iguaçuense derrotou o Vitória/PE por 3 a 0 neste sábado, dia 26 de novembro, no Estádio Pedro Basso, em Foz do Iguaçu Os gols foram marcados por Nenê, Daiane Moretti e Andressa.
Jogando em casa, o Foz do Iguaçu foi bem superior. O primeiro tempo terminou em 0 a 0, mas a goleira do Vitória, Thaís Picarte, teve muito trabalho.
Nenê foi a primeira a marcar, depois de tabela com Daiane Moretti. Na partida de ida da final da competição, em Vitória de Santo Antão, a tabela funcionou ao contrário. A camisa 11 serviu Daiane que fez os dois gols.
A artilheira do time iguaçuense com oito gols, Daiane Moretti, aumentou a diferença. A lateral-direita Paula cruzou na cabeça da atacante, que marcou mais um na competição.
Nos últimos minutos do jogo, Andressa fez o terceio gol do Foz. A jogadora estava livre na área e bateu de canhota para fechar o placar da partida: 3 a 0 Foz Cataratas.
No jogo de ida, o Foz vencera o time pernambucano fora de casa, em Vitória de Santo Antão, por 2 a 0, com gols de Daiane Moretti.
- Desde que entramos no campeonato, queríamos ser campeães e conseguimos fazer isso em casa. Estou muito feliz - comemorou Daiane.
A equipe iguaçuense recebeu a taça da Copa do Brasil de Futebol Feminino das mãos do novo técnico da Seleção Brasileira Feminina, Jorge Barcellos.
- É um prazer ver a torcida acompanhando o Foz Cataratas e poder entregar o troféu a essa equipe campeã - comemorou o treinador da Seleção.
Além do título, o Foz Cataratas conquistou a vaga da Taça Libertadores de Futebol Feminino 2012.

Fonte: http://www.cbf.com.br/

CT de ginástica artística começa a ser montado no Velódromo do Rio

 
Foto:listaoguarulhos.com.br
 
A área central do Velódromo do Rio de Janeiro começa a receber, nesta segunda-feira, equipamentos e peças para a instalação do Centro de Treinamento de Ginástica Artística. O espaço pouco utilizado por atletas do ciclismo será transformado em local de trabalho para os principais ginastas do Brasil. A expectativa é que a montagem seja encerrada no final de fevereiro para poder então ser utilizado.
"O CT de ginástica será montado com equipamentos de última geração, que darão todas as condições para atender as seleções brasileiras e para formar as novas gerações da modalidade", exaltou Marcus Vinícius Freire, superintendente executivo de esportes do Comitê Olímpico Brasileiro. O local receberá as Seleções feminina e masculina em períodos específicos.
Equipamentos de musculação e fisioterapia também serão colocados no espaço, ficando à disposição de ciclistas e patinadores que treinam frequentemente no Velódromo. Até a conclusão da construção de um fosso, que serve para a finalização dos movimentos dos ginastas, no entanto, os treinamentos no Velódromo permanecerão suspensos.
Ainda há planos para que, a partir do primeiro semestre de 2012, o Centro de Treinamento de Ginástica Artística possa atender atletas de outras modalidades acrobáticas, como saltos ornamentais e salto com vara. Atletas de outros países poderão utilizar o espaço, a partir de parcerias e intercâmbios entre as federações.

Fonte: http://www.terra.com.br/

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Aos 17 anos, "menina prodígio" chinesa revalida título mundial de xadrez

 
Foto:clubexadrezvida.blogspot.com
 
A chinesa Hou Yifan, de 17 anos, conquistou o título de campeã mundial de xadrez feminino ao derrotar a indiana Humpy Koneru no desafio de dez partidas disputado em Tirana, capital da Albânia, informou nesta sexta-feira a agência de notícias oficial chinesa Xinhua.
Bastou um empate na oitava partida para Hou, que ostenta o título desde 2010 e é terceira no atual ranking mundial, conseguir os 5,5 pontos necessários para garantir o título. A adversária Humpy ficou com 2,5 pontos.
A ganhadora levará para casa um prêmio de 120 mil euros (R$ 300 mil), enquanto a indiana receberá 80 mil euros (R$ 200 mil).
Neste ano, a Federação Mundial de Xadrez (Fide) devolveu ao Campeonato Mundial Feminino de Xadrez o clássico formato de uma só final, no qual uma candidata (campeã do Grand Prix) disputa a coroa com a detentora do título, algo que não ocorria há 11 anos.
A final foi considerada por alguns analistas esportivos como símbolo da ascensão política das duas maiores potências econômicas emergentes do mundo - China e Índia.
Hou foi a jogadora mais jovem a conquistar o título de Grande Mestre do Xadrez, com 13 anos, e também a mais jovem campeã mundial da história, tanto entre homens como entre mulheres (16 anos).
Alguns a comparam com a mítica jogadora húngara Judit Polgar, única na história que esteve no Top 10 absoluto. Mas Judit, ao contrário de Hou, prefere não disputar torneios exclusivos para mulheres, por isso nunca foi campeã mundial.

Fonte: http://esportes.terra.com.br/noticias/0,,OI5488027-EI1137,00-Aos+anos+menina+prodigio+chinesa+revalida+titulo+mundial+de+xadrez.html

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Tênis: Três brasileiras passam por estreia no ITF de Rancagua


Foto:odiario.com

Se duas brasileiras perderam na primeira rodada do ITF de Rancagua, três conseguiram superar suas adversárias da estreia e avançaram no Chile. A vitória mais contundente foi de Flavia Guimarães sobre a argentina Maria Agustina de Carli, por 2 a 0, com parciais de 6/1 e 6/0.

Sua próxima adversária será a compatriota e parceira no torneio de duplas, Carla Forte, que passou pela italiana Gaia Sanesi, também em sets diretos, mas com duplo 6/4.
Karina Venditti também ganhou. A vítima foi a anfitriã Debora Echevarria (7/6 e 6/3). Agora, o desafio é outra dona da casa, a cabeça de chave número oito Daniela Seguel.
A paulista Beatriz Cecato, por sua vez, perdeu da local Camila Silva, sexta favorita, por 2 a 0, com parciais de 7/5 e 6/1. Marcela Bueno foi derrotada pela austríaca Tina Schiechtl (6/1 e 6/3).

Fonte: http://www.terra.com.br/

Mundial de Trampolim terá participação de 44 brasileiros

Foto:cbginastica.com.br

O Brasil terá 44 representantes no World Age Group Competitions, Mundial de Trampolim Por Idade (23 no feminino e 21 no masculino). A competição de Ginástica de Trampolim reúne ginastas das categorias Infantil, Infanto-juvenil, Juvenil e Adulto e será disputada na próxima semana, dos dias 24 a 27, em Birmingham, na Inglaterra.
Na segunda-feira (21), já inciam os treinamentos, que terminam na quarta-feira (23). O campeonato terá disputas de Trampolim (treinadores Tatiana Figueiredo, Alexandro Pereira, Ednalva Rocha e Cristina Aladim), Tumbling (Estácio Costa, Márcio Guerra e Thiago de Almeida) e Duplo Mini-trampolim (Silton Santos, Cláudio Júnior, Maria Juliana Ribeiro Silva Cardoso e Rubens Celso Martins).
O chefe de delegação do Brasil será Marcos Antônio de Oliveira. Junia Haliski e Rodrigo Barcelos Rodrigues de Lima vão como chefe geral de equipe. O Trampolim e o Duplo Mini terão chefes específicos, Mário César Carvalho e Shirley Arantes, respectivamente. A arbitragem do Mundial contará com seis brasileiros: Klayler Mourthé, Mariana Accardo, Paulo Carrara, Pedro Alves Paiva, Marina Araújo e Marcos Antônio de Oliveira.
Ginastas:
Feminino - Alice Hellem Gomes, Ana Luiza de Paiva Melo, Ana Luiza Ferreira, Andressa Ferreira Sanders, Camila Lopes Gomes, Carolina Tropia Aladim, Catarina Campos Coutinho, Daienne Cardoso de Lima (que já está no país europeu para disputar o Mundial da categoria Elite, nesta semana) , Daniela Ramos Petti, Flavia Moutinho Menezes, Ingrid Simão Souto Maior, Julia Morato Coelho, Juliana Haddad, Karolaine Cristina dos Santos, Kerly Priscila Jesus de Oliveira, Larissa Tropia Aladim, Lorrane Souza Sampaio, Marcela Nunes Sobral Martins, Maria Eduarda Silva Rodrigues, Milena Soares Matias, Nathalia Silva Brilhante, Taynara Gabrielle Delfino e Thais Aparecida Costa Carneiro
Masculino - Alexandre Lucas Rodrigues da Silva, Allan Rodrigues Pires, Breno de Paula Souza, Bruno Henrique de Souza, Caique Freitas de Carvalho, Daniel Bragança Viana, Delmar Junio Ferreira Marcos, Felipe Barreto Quidet Muniz, Henrique Silva de Lima, Kauan Calderaro, Leonardo Chaves Vieira, Leonardo Santos Alexandrino, Lucas Henrique Sotero do Nascimento, Lucas Junior Tobias, Lucca Mormillo, Luiz Arruda Junior, Rafael Silva de Souza, Ramon Vidal de Abreu, Warlisson Junior de Senna, Washington Lopes Leandro, Wesley Pereira Matos.

A Confederação Brasileira de Ginástica é patrocinada pela Caixa Econômica Federal

Fonte:http://cbginastica.com.br/cbg/index.php?option=com_content&view=article&id=195:mundial-de-trampolim-por-idade-tera-participacao-de-44-brasileiros&catid=1:latest-news&Itemid=50

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Futebol: Seleção Brasileira Feminina Sub-17

Foto: femininobr.blogspot.com

A Seleção Brasileira Feminina Sub-17 se apresentou nesta segunda-feira, dia 21 de novembro, na Granja Comary, para iniciar a primeira fase de preparação para o Sul-Americano Sub-17 no Peru, ainda sem data confirmada.
Para a primeira etapa de preparação em Teresópoilis, o técnico Edvaldo Erlacher convocou 22 jogadoras. A delegação brasileira ficará concentrada até dia 4 de dezembro.
No primeiro dia na Granja, as jogadoras farão um trabalho físico com o preparador físico Rogério Duarte.
Nos demais dias, a Seleção treinará pela manhã, às 9h30, e à tarde, às 15h30. Antes do primeiro treinamento, todos os dias às 9 horas, as jogadoras farão um trabalho preventivo com o fisioterapeuta Marcelo Kazuaki.
Durante a concentração em Teresópolis, a Sub-17 disputará dois amistosos, um contra o Vassouras Sub-20, no dia 25 de novembro, e outro contra a equipe da Marinha do Brasil, no dia 29, ambos às 16 horas.
O Sul-Americano do Peru será a terceira edição da categoria. O Brasil foi campeão em 2010, em casa, em São Paulo. Em 2008, no Chile, a Seleção ficou com o vice-campeonato. O título ficou com a Colômbia.

Fonte: http://www.cbf.com.br/

Após jogo difícil, Brasil é bronze no basquete em cadeira de rodas

 
Foto: Patrícia Santos / FOTOCOM.NET / CPB/Divulgação
 
A partida foi disputada contra o México, que jogava em casa e com o apoio da torcida. O jogo foi extremamente complicado, parelho. E apesar disso, a Seleção Brasileira feminina de basquete em cadeira de rodas conquistou a medalha de bronze dos Jogos Parapan-Americanos de Guadalajara neste sábado, ao conseguir placar de 59 a 54.
As mexicanas foram bem no primeiro quarto e abriram 16 a 9 sobre o Brasil, que conseguiu se recuperar no período seguinte, fechando o primeiro tempo com 28 a 25. No terceiro quarto, o time comandado pelo técnico Wilson Correia melhorou o desempenho e abriu nove pontos de vantagem. Já no último quarto, o México diminuiu a vantagem, mas não evitou a derrota.
A cestinha da partida foi a brasileira Vileide Brito, que fez 23 pontos, além de 14 rebotes e três assistências. Entre as brasileiras, Lia Maria Soares também se destacou, ao somar 19 pontos, nove rebotes e quatro assistências. Já na equipe adversária, três jogadoras marcaram 12 pontos: Lúcia Vázques e Claudia Miranda e Floralia Estrada.
A Seleção Brasileira feminina teve desempenho irregular no Parapan de Guadalajara e, com duas derrotas na primeira fase, foi eliminada na semifinal pelos Estados Unidos. A medalha de ouro será definida no embate entre os americanos e a seleção da Colômbia, neste sábado.

Fonte: http://www.terra.com.br/

Brasileira conquista ouro no judô do Parapan

 
Foto: Fernando Maia / FOTOCOM.NET / CPB/Divulgação
 
A última brasileira a entrar nos tatames de Guadalajara na disputa dos Jogos Parapan-Americanos fechou com excelência a participação do País na modalidade. Karla Ferreira venceu a cubana Maria Gonzalez na final da categoria extra-leve (-48 kg) para conquistar a medalha de ouro.
Karla confirmou a presença no lugar mais alto do pódio com um ippon sobre a cubana, definindo a vitória. O bronze ficou com a argentina Paula Karina Gomez. Assim, o judô fecha a participação na segunda colocação no quadro de medalhas do esporte, atrás apenas dos Estados Uidos, que possuem cinco ouros, quatro pratas e um bronze.
A delegação brasileira conquistou dois ouros (Giovanna Pilla também foi campeã). Foram quatro vice-campeonatos em Gualadajara. Conquistaram a prata Daniele Bernardes, Magno Marques, Antonio Tenório e Willians Silva. Apenas um bronze foi conquistado pelos judocas do País, com Harlley Pereira.

Fonte: http://www.terra.com.br/

Ana Marcela é campeã brasileira e se garante no Sul-Americano


Foto: AFP

A nadadora fundista Ana Marcela venceu os cinco quilômetros da oitava etapa do Campeonato Brasileiro de Maratonas Aquáticas, em Araruama, no Rio de Janeiro, e ficou com o pentacampeonato da competição. No masculino, Allan do Carmo conquistou seu terceiro título após uma disputa acirrada na classificação geral.
Completando o pódio feminino, Betina Lorscheistter foi medalha de prata e Gabriela Ferreira ficou com o bronze. Com o resultado, Ana Marcela e Betina vão para o Sul-Americano de Belém, que será disputado em março do ano que vem.
Ana Marcela encerra um de seus melhores anos na carreira. Em 2011, ela conquistou o campeonato mundial na prova de 25 quilômetros e ficou em quinto no Pan de Guadalajara, no México.
Agora, a nadadora brasileira vai se concentrar para um desafio inédito: vai participar do Campeonato Brasileiro Sênior e Torneio Open, ainda este ano, no Parque Aquático Maria Lenk. Lá, Ana Marcela irá tentar a classificação nos 800 metros livre para as Olimpíadas de Londres.
A disputa masculina do Brasileiro de Maratonas Aquáticas foi mais acirrada. Allan do Carmo garantiu o lugar mais alto do pódio e a classificação para o Sul-Americano. O segundo colocado só foi decidido depois de a organização analisar o vídeo da prova e confirmar a medalha de prata para Samuel de Bona, que também ficou com a vaga para competir em Belém. Lucas Cortini Oliveira foi o terceiro.

Fonte: http://www.terra.com.br/

Tênis:Wozniacki disputa exibição contra Cibulkova e iraniano

Foto: AP

Caroline Wozniacki, a atual líder do ranking mundial de tênis, participou nesta segunda-feira de uma partida exibição na cidade de Bratislava, na Eslovênia. A dinamarquesa jogou ao lado do francês Henri Leconte, já aposentado do circuito, e enfrentou a anfitriã Dominika Cibulkova e o irreverente Mansour Bahrami, famoso por protagonizar jogadas de efeito.
O jogo de duplas foi marcado pela descontração. ''Preocupado'' com o espetáculo, o quarteto abusou da criatividade, brincou com o público e deu bastante risadas.
Wozniacki e Cibulkova, inclusive, paralisaram a partida para tomar champanhe. Bem-humorada, a dinamarquesa atacou de juiz de cadeira e, durante uma das pausas, sentou no colo de seu companheiro Leconti.
A faceta de "palhaça" de Wozniacki não é nova. Ela apronta várias com o sérvio Novak Djokovic e gosta também de tirar sarro. Em setembro, a atleta imitou as câibras do espanhol Rafael Nadal durante uma entrevista coletiva no Aberto dos Estados Unidos.
Após a festividade, Wozniacki postou no Twitter. "Muito divertida a exibição desta noite em Bratislava. Obrigado Dominika, Leconte e Bahrami pelo bom show", disse.

Fonte:www.terra.com.br

Na volta de Paula Pequeno, Vôlei Futuro vence São Bernardo

 
Foto: Divulgação
 
O Vôlei Futuro, líder isolado na primeira fase do Campeonato Paulista Feminino de Vôlei, derrotou, nesta segunda-feira, o BMG/São Bernardo por 3 sets a 1, parciais de 25/19, 25/15, 20/25 e 25/15. Com isso, o time de Araçatuba inaugurou a série melhor de três da semifinal do torneio. 
A partida foi marcada pelo retorno da oposto Paula Pequeno, que estava servindo a Seleção Brasileira, apenas quinta colocada na Copa do Mundo do Japão. Apesar de estar em boas condições físicas, a líbero americana Stacy Sykora, recuperada do acidente de sete meses atrás, não entrou em quadra.
Jogando em casa, o Vôlei Futuro começou melhor e fechou o primeiro set com folgas. Na segunda parcial, o rival do ABC paulista continuou facilitando a vida das anfitriãs, que venceram com maior facilidade.
No terceiro set, porém, o São Bernardo - que conquistou, no último dia 13, o títulos dos Jogos Abertos do Interior justamente sobre o Vôlei Futuro - se reestruturou e, com melhoras em todos os fundamentos, diminuiu.
Mas no set de desempate não deu para o time laranja. As donas da casa - que contaram também com Carol Gattaz aumentando a rede - acordaram com as broncas do técnico Paulo Coco e ratificaram o resultado positivo.
A outra chave da semifinal será aberta na quarta-feira. O Sollys/Osasco visitará o Sesi-SP no Ginásio da Vila Leopoldina, a partir das 18h30 (de Brasília). Já o Vôlei Futuro e o São Bernardo voltarão a duelar na quarta-feira, desta vez na região do ABC.

Fonte: http://www.terra.com.br/

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

CPB vê "missão cumprida" e prevê Paraolimpíada melhor e mais qualificada

 
 
Pela primeira vez, a delegação brasileira se sagrou vencedora do quadro de medalhas de uma edição de Jogos Parapan-Americanos disputados fora de casa. No Rio de Janeiro, em 2007, o predomínio foi motivado pelo fato de ser país-sede. Em Guadalajara, as 197 medalhas garantidas mostram ao Comitê Paraolímpico Brasileiro que a missão foi cumprida e o caminho para um desempenho paraolímpico melhor e mais qualificado está sendo bem trilhado.  
"Cumprimos a nossa missão em Guadalajara", anunciou o presidente do CPB, Andrew Parsons. Ele usou alguns dados para exaltar a participação brasileira: 104 vagas para as Paraolimpíadas de Londres foram garantidas no México, enquanto que no Rio de Janeiro esse número era apenas de 80. Das 13 modalidades disputadas, brasileiros conseguiram subir ao pódio em 12 delas, conquistando ouro em nove.
"No masculino foram nove quebras de recordes americanos, 37 parapan-americanos e dois mundiais. No feminino foram três recordes americanos e 17 parapan-americanos. Um total de 68 recordes, contra 51 conquistados por brasileiros no Rio em 2007", mensurou Parsons. Isso só faz aumentar a confiança para que o bom desempenho seja repetido em Londres. Duas categorias ainda podem garantir vaga: esgrima e tiro com arco.
"Em Pequim tivemos a quarta maior (delegação) dos Jogos, com 188 atletas. Talvez em Londres ela seja menor, mas mais qualificada", disse Andrew Parsons.
"Depois que fizemos o planejamento estratégico das 20 modalidades de Londres, pensamos em quatro objetivos: o primeiro lugar no Parapan aqui de Guadalajara, o sétimo em Londres; o primeiro em Toronto (Parapan, em 2015) e o quinto no Rio, em 2016. Trabalhamos focados em resultados e renovação", complementou.

Fonte: http://www.terra.com.br/

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Foz Cataratas/PR está na final da Copa do Brasil Feminina

Foto:blogs.futebolparameninas.com.br

Foz Cataratas/PR e Vitória/PE disputarão a final da Copa do Brasil nos dias 19 e 26 de novembro

O Foz Cataratas/PR venceu o Viana/MA nos pênaltis nesta quinta-feira, dia 10 de novembro, em casa, no Estádio Pedro Basso, por 7 a 6. No tempo regulamentar, a partida terminou em 0 a 0, e com o empate no jogo de ida, em 0 a 0 também, o Foz garantiu a vaga na final da Copa do Brasil de Futebol Feminino. Os jogos da final serão nos dias 19 e 26 de novembro.
Na final, o time iguaçuense enfrentará o Vitória/PE, que ficou com a vaga depois de vencer o Rio Preto/SP em casa, por 2 a 0, e empatar em 2 a 2 no jogo de volta no Riopretão. A decisão da competição será no dia 26 de novembro, às 17 horas, em Foz do Iguaçu, já que pelo ranking da CBF, a Federação Paranaense está melhor colocada do que a pernambucana. A partida de ida da final será em Vitória de Santo Antão, no dia 19, às 22 horas de Brasília.
No tempo regulamentar da partida de volta da semifinal, em Foz do Iguaçu, o Foz Cataratas e o Viana tiveram muitas oportunidades de gol, mas as duas goleiras, Bárbara, do Foz, e Isabela, do Viana, não deixaram a bola entrar. Como o jogo de ida, no Estádio Djalma Campos, também terminou em 0 a 0, a vaga na final da competição foi decidida nos pênaltis.
Nas penalidades, o Viana abriu uma vantagem de 2 a 0. Mas, depois, a goleira iguaçuense defendeu uma cobrança e duas jogadoras do Viana chutaram para fora. O resultado foi 7 a 6 para as donas da casa que ficaram com a vaga na final da Copa.

Fonte: http://www.cbf.com.br/

Vôlei: Após sequência negativa, Brasil "atropela" Argentina e ainda sonha

 
Foto: FIVB/Divulgação
 
Após duas derrotas consecutivas para Itália e Japão, sem conseguir anotar um set sequer, nesta quarta-feira, a Seleção Brasileira feminina de vôlei se recuperou na Copa do Mundo, e venceu o clássico sul-americano contra a Argentina, com relativa facilidade, por 3 sets a 0, parciais de 25/20, 25/19 e 25/9, em duelo realizado em Tóquio.
Com o triunfo, time comandado por José Roberto Guimarães melhora na tabela de classificação, com 15 pontos, mas segue com chances remotas de obter uma vaga nos Jogos Olímpicos de Londres 2012 através da competição.
Com Sassá como titular no lugar de Mari pela primeira vez na Copa do Mundo, o Brasil encontrou relativa dificuldade no início do duelo contra a Argentina. Apesar de se manter a frente durante toda a primeira parcial, as brasileiras só conseguiram deslanchar no placar no final, quando estabeleceram a maior vantagem de pontos, ao fechar o set em 25 a 20.
A soberania do final do primeiro set, se repetiu durante a segunda etapa, e , com um bloqueio consistente, a Seleção Brasileira soube usar bem a superioridade técnica e vencer por 25 a 19, para abrir 2 sets a 0 no confronto.
No terceiro set, a partida ficou ainda mais tranquila a favor das brasileiras, que não encontraram dificuldades para fazer 25 a 9 e fechar a partida em 3 sets a 0.

Fonte: http://esportes.terra.com.br/volei/noticias/0,,OI5472736-EI1891,00-Sem+dificuldades+Brasil+bate+Argentina+e+encerra+jejum+na+Copa+do+Mundo.html

Parapan-Americanos: Therezinha "se poupa", mas lidera pódio verde-amarelo nos 100 m T11

Foto: Bruno de Lima/Fotocom/Divulgação

A brasileira Therezinha Guilhermina, recordista mundial e parapan-americana dos 100 m T11, segurou o seu ritmo na final da categoria, disputada por atletas com deficiência visual, mas conseguiu sair com a medalha de ouro. Após marcar 12s29 e quebrar o recorde do torneio na semifinal, ela cravou 12s41 nesta terça.
Completando o pódio verde-amarelo, Jerusa Santos, com o tempo de 12s73, e Jhulia Santos, com a marca de 13s17, levaram as medalhas de prata e bronze. Destaque para Julia, que recentemente completou 20 anos de idade e disputa seu primeiro Parapan.
Campeã também no Rio de Janeiro, Therezinha ainda tem muito o que trabalhar em Guadalajara. Além dos 100 m, ele pode conquistar o bicampeonato parapan-americano nos 200 m e nos 400 m. Em ambos ela já se classificou para a decisão.

Fonte: http://esportes.terra.com.br/rumo-a-2012/pan-americano-guadalajara-2011/parapan/noticias/0,,OI5472301-EI19076,00-Therezinha+se+poupa+mas+lidera+podio+verdeamarelo+nos+m+T.html

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Fernanda Venturini volta às quadras na estreia do Unilever no Carioca

 
Foto: Jorge Grisi/adorofoto/Divulgação

O Unilever fará sua estreia no Campeonato Carioca de vôlei contra o Flamengo, nesta terça, às 19h30 (de Brasília) e contará com volta da levantadora Fernanda Venturini. A atleta está em treinamento desde junho deste ano.
"Estou há quatro anos sem jogar. No Carioca, embora nossas adversárias sejam jovens e o nível da disputa, teoricamente, não exija muito, terei a oportunidade de ganhar ritmo de jogo já visando à Superliga", refletiu Fernanda Venturini. A jogadora anunciou seu retorno ao esporte em maio e segue com os treinos diários para poder voltar a jogar em alto nível.
Aos 41 anos, a levantadora também reeditará a parceria com Valeskinha, com quem atuou em sua primeira temporada pelo Unilever, em 1997, quando o time ainda era conhecido como Rexona. Além de Valeskinha, Fernanda Venturini também já atuou ao lado das ponteiras Régis e Amanda. "Ter a Fernanda como levantadora é uma tranquilidade. Ela conhece bem meu ritmo. Sabe onde colocar as bolas", comentou Régis.
No comando da equipe do Unilever estará Hélio Griner, substituindo Bernardinho, que disputa a Copa Mundo no Japão com a Seleção Brasileira masculina. Depois da competição, as principais jogadoras do
O Unilever fará sua estreia no Campeonato Carioca de vôlei contra o Flamengo, nesta terça, às 19h30 (de Brasília) e contará com volta da levantadora Fernanda Venturini. A atleta está em treinamento desde junho deste ano.
"Estou há quatro anos sem jogar. No Carioca, embora nossas adversárias sejam jovens e o nível da disputa, teoricamente, não exija muito, terei a oportunidade de ganhar ritmo de jogo já visando à Superliga", refletiu Fernanda Venturini. A jogadora anunciou seu retorno ao esporte em maio e segue com os treinos diários para poder voltar a jogar em alto nível.
Aos 41 anos, a levantadora também reeditará a parceria com Valeskinha, com quem atuou em sua primeira temporada pelo Unilever, em 1997, quando o time ainda era conhecido como Rexona. Além de Valeskinha, Fernanda Venturini também já atuou ao lado das ponteiras Régis e Amanda. "Ter a Fernanda como levantadora é uma tranquilidade. Ela conhece bem meu ritmo. Sabe onde colocar as bolas", comentou Régis.
No comando da equipe do Unilever estará Hélio Griner, substituindo Bernardinho, que disputa a Copa Mundo no Japão com a Seleção Brasileira masculina. Depois da competição, as principais jogadoras do time retornam da Seleção feminina e encaram a maratona de treinos preparatórios para a Superliga.
O Unilever vai à busca de seu nono título no torneio, o oitavo consecutivo. A disputa será em turno único e ainda contará com as presenças de Macaé e Universo. A final está agendada para o dia 29 de novembro.

Fonte:www.terra.com.br

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Ainda em recuperação, Stacy revela vontade de voltar ao Brasil: "Não posso dizer adeus"

Foto:divulgação/UOL São Paulo

Em recuperação nos Estados Unidos, a líbero Stacy Sykora diz estar ansiosa para defender o Vôlei Futuro na próxima Superliga feminina. Longe do Brasil desde o grave acidente de ônibus sofrido pelas jogadoras da equipe de Araçatuba em abril, a norte-americana afirmou estar com saudades das companheiras e afirmou que não vê a hora de atuar novamente no país.
“Mal posso esperar para voltar ao Brasil. Mal posso esperar para estar com meu time, o Vôlei Futuro. A última vez que eles me viram, eu não me lembro. Quero lembrar desta vez”, disse Stacy, em entrevista ao Sportv. “É uma parte da minha vida que não posso dizer adeus. Gosto muito destas garotas”.
A norte-americana ainda se recupera do grave acidente sofrido horas antes da primeira partida das semifinais da última Superliga feminina, entre Vôlei Futuro e Osasco. A equipe do interior se aproximava do ginásio do adversário quando o ônibus que leva as atletas tombou próximo da rodovia Castelo Branco. Várias atletas tiveram ferimentos leves, enquanto a norte-americana sofreu traumatismo craniano e passou várias semanas internada em São Paulo.
Stacy passa por exames e acompanhamento médico regular desde o incidente. De acordo com a líbero, a principal sequela do acidente está em sua visão, o que tem atrapalhado seu retorno ao vôlei. A norte-americana, porém, confia que estará totalmente recuperada para buscar uma vaga na seleção dos Estados Unidos que disputará as Olimpíadas de Londres em 2012.
“[Os médicos] dizem que este problema é normal em pacientes que tiveram lesões cerebrais”, conta a líbero sobre o problema de visão. “Ainda é um sonho, mas a única coisa da minha lista de prioridades é ir aos Jogos Olímpicos de Londres”.
Nos últimos meses, a líbero participou de atividades da seleção B dos Estados Unidos que se preparava para os Jogos Pan-Americanos de Guadalajara e disputou um jogo-treino. Stacy, porém, ainda aguarda a recuperação de seu problema de visão para poder voltar normalmente às competições.

Fonte: http://esporte.uol.com.br/volei/ultimas-noticias/2011/11/03/ainda-em-recuperacao-stacy-revela-vontade-de-voltar-ao-brasil-nao-posso-dizer-adeus.htm

"Madrinha" de equipe da MotoGP, Paris Hilton é processada por patrocinador

 
Foto: AFP
 
O acordo de Paris Hilton para ceder seu nome e imagem a uma das equipes da MotoGP (Bluesens by Paris Hilton Racing) não está dando certo. Segundo o jornal espanhol Marca, a socialite americana será processada pela Supermartxe, uma das principais patrocinadoras da escuderia, por quebra de contrato.
Em comunicado, a empresa diz que se sente "seriamente prejudicada pelo não cumprimento sistemático dos contratos assinados com Paris Hilton" e, por isso, já deu luz verde para o departamento jurídico tomar as ações legais cabíveis. As reclamações da Supermartxe se referem aos direitos de imagem da socialite.
A Paris Hilton Racing corre na categoria 125 cc e atualmente conta com os pilotos Maverick Viñales, quarto colocado no campeonato, e Josep Rodriguez, que aparece 30° lugar.

Fonte: http://www.terra.com.br/

Ex-craque da Seleção, Sissi nega ciúmes de Marta: "queria jogar com ela"

 
Foto:Getty Images
 
 
Em uma partida do Campeonato Paulista feminino de futebol de 1997 (intitulado Paulistana), a meia Sissi ficou surpresa ao ouvir a torcida do São Paulo entoando um canto bem humorado que pedia para que a jogadora defendesse também a equipe masculina do clube do Morumbi. A atitude serve como uma mostra do talento que a camisa 10 exibia nos gramados brasileiros em meados da década de 1990, quando representava o principal nome da geração que desbravou o futebol feminino no Brasil.
Em uma comparação: há pouco mais de uma década, Sissi ocupava o lugar que hoje é de Marta no futebol brasileiro. Apesar de não ter sido eleita cinco vezes consecutivas melhor do mundo pela Fifa, como a atual dona da camisa 10 da Seleção, Sisleide do Amor Lima também cravou seu nome na história do esporte nacional.
Dona de grande habilidade e visão de jogo, Sissi era uma meia clássica e fazia jus à camisa 10 que vestia. Comandando um time com jogadoras como a goleira Maravilha, as volantes Márcia Tafarel e Formiga, e as atacantes Pretinha, Kátia Cilene e Roseli, Sissi conseguiu proezas como levar o Brasil ao quarto lugar da Olimpíada de Atlanta, em 1996, e, principalmente, ao terceiro lugar da Copa do Mundo de 1999, quando foi artilheira (com sete gols, ao lado da chinesa Sun Wen) e eleita a segunda melhor jogadora da competição.
Atualmente com 44 anos, Sissi trabalha como treinadora de uma equipe de Junior College (uma alternativa à faculdade) nos Estados Unidos, além de ainda atuar em uma liga amadora, a WPSL, pelo California Storm. Mesmo desanimada com a falta de apoio ao futebol feminino no Brasil, ela mantém o sonho de integrar a comissão técnica da Seleção Brasileira.
Feliz com a história que construiu no futebol como jogadora, Sissi fez questão de, nesta entrevista exclusiva ao Terra, negar qualquer inveja de Marta. Mais do que isso, a ex-jogadora de times como São Paulo, Palmeiras, Saad e Vasco afirmou que uma de suas grandes decepções foi não ter jogado ao lado da estrela. Para o azar do futebol brasileiro, que não pôde ver suas duas maiores jogadoras atuando com a mesma camisa.

Confira a entrevista:

Terra: Na década de 1990 e no início dos anos 2000, você foi a principal jogadora da Seleção, papel hoje ocupado pela meia-atacante Marta. É possível comparar o futebol de Sissi e Marta?
Sissi:
Todo mundo pergunta isso, mas Marta e eu temos estilos diferentes. Às vezes, acontece uma comparação por sermos canhotas e usarmos a camisa 10, mas eu era uma jogadora mais de armação, de visão de jogo, enquanto ela arranca mais com a bola, parte para cima. Mas prefiro nem comparar. Eu cumpri meu papel, fiz o que tinha que fazer pela Seleção. Marquei minha história e, agora, a Marta está fazendo a dela.

Terra: Mas qual sua opinião sobre a Marta?
Sissi:
O povo acha que tem essa questão de ciúme, mas não. Tenho o maior respeito pela Marta e fico feliz por ela ser brasileira. Nos Estados Unidos, o povo admira muito a Marta. Na verdade, lamento por não ter jogado com a Marta. Quando estava no Vasco, ela chegou para as categorias de base. Na época, cheguei a jogar contra ela nos treinos e já era possível perceber que ela era diferenciada. Quem sabe em um amistoso possamos jogar juntas.

Terra: Você acredita que seu nome está entre as maiores jogadores de futebol feminino de todos os tempos?
Sissi:
Pelo que fiz, posso dizer que sim. Meu nome, assim como o da Mia Ham (ex-jogadora dos EUA) e o da Marta, está entre os grandes e ninguém pode questionar. E a tendência é que a cada geração surjam novos nomes.

Terra: Como é sua vida nos Estados Unidos hoje?
Sissi:
Trabalho como técnica do Diablo Futbol Club, onde treino adolescentes de 10 a 18 anos, e do Las Positas, que é um Junior College (uma opção para quem não tem condições de fazer faculdade), em Concord, perto de São Francisco. No Las Positas, trabalho com garotas de 18 a 22 anos. Além disso, ainda jogo a liga amadora (WPSL) pelo California Storm, da cidade de Sacramento.

Terra: Após encerrar a carreira profissional no futebol dos Estados Unidos, você não quis voltar para o Brasil?
Sissi:
Cheguei a voltar para o Brasil em 2006 para jogar no Saad, mas, infelizmente, a situação financeira não estava muito boa. Então, resolvi voltar para os Estados Unidos.

Terra: A sua geração foi pioneira no futebol feminino no Brasil e vocês enfrentaram grandes dificuldades. Quais os principais obstáculos que vocês tiveram que superar?
Sissi:
Desde o começo, mesmo tendo consciência das dificuldades, eu já sabia bem o que queria. Minha geração sofreu muito, ainda mais porque na época havia muito preconceito. Vi muitas jogadoras desistirem. Financeiramente, o que me ajudou foi a vinda para os Estados Unidos. Mas faria tudo novamente. Atualmente, a questão financeira melhorou no futebol feminino brasileiro, mais ainda falta muito apoio.

Terra: Apesar de a Seleção Brasileira feminina ter ficado mais forte e de receber mais apoio, os clubes brasileiros não têm grande visibilidade e não há um campeonato forte. Na sua época, o futebol feminino era mais forte internamente, não?
Sissi:
Na verdade, tivemos grande visibilidade em 1997, quando a Federação Paulista resolveu criar o Paulistana (Campeonato Paulista feminino). Na época, a Federação e a CBF colocaram pressão nos clubes, que tiveram que fazer alguma coisa. Para nós, foi a melhor coisa que poderia ter acontecido, porque o futebol feminino tem que ter apoio.

Terra: Nessa época, inclusive, você liderou o São Paulo na conquista do título paulista de 1997 e chegou a ter seu nome "pedido" pela torcida no time tricolor masculino. Como encarou essa situação?
Sissi:
Nossa, aquilo foi demais, de arrepiar. Até hoje tenho a gravação daquele jogo (em que a torcida do São Paulo pediu Sissi no time masculino). Eu e a Kátia (Cilene, então centroavante do São Paulo) tivemos nosso nome cantado e isso é difícil de explicar. Mas para mim foi um reconhecimento, pois sempre tentei representar o São Paulo da melhor maneira. Foi um dos grandes momentos da minha carreira. Quando começo a lembrar, vejo que realmente tive grandes momentos.

Terra: A Copa do Mundo de 1999, realizada nos Estados Unidos, foi seu auge no futebol (foi artilheira da competição com sete gols, além de levar o Brasil a um inédito terceiro lugar)?
Sissi:
Eu acho que, para o futebol feminino em geral, aquela Copa do Mundo de 1999 abriu portas mundialmente. Tudo saiu perfeitamente, da forma que as americanas planejaram. Aquele Mundial veio no momento certo da minha carreira, coroou tudo que fiz pelo futebol. Foi depois daquela competição que minha carreira profissional decolou, principalmente nos Estados Unidos.

Terra: Antes do Mundial de 1999, porém, a Seleção Brasileira já havia surpreendido na Olimpíada de Atlanta 1996 com o quarto lugar...
Sissi:
Meu sonho sempre foi defender a Seleção Brasileira. Então jogar uma Olimpíada foi um sonho. É difícil descrever a sensação de representar a Seleção de seu país em uma competição dessas.

Terra: Em sua opinião, o que faltou para o Brasil conquistar a inédita Copa do Mundo, em 2011 (foi eliminada nas quartas de final pelos Estados Unidos)?
Sissi:
Não sei como foi a preparação da Seleção Brasileira, mas escutei falar que não foi uma preparação ideal. Já passou da fase de atribuirmos tudo ao fator psicológico. Acho que foi mais a preparação mesmo. Aqui nos Estados Unidos, as americanas se reuniram dois meses antes da Copa do Mundo para se prepararem. Não sei ao certo, mas acho que o Brasil fez poucos amistosos. Acho que faltou um pouco de organização.

Terra: Você acha que o Brasil considerou que a vaga na semi de 2011 já estava garantida e perdeu a concentração (a Seleção vencia até os minutos finais da prorrogação, quando tomou o gol de empate por 2 a 2 e acabou derrotada pelos Estados Unidos nos pênaltis)?
Sissi:
Não sei se chegamos a achar que o jogo já estava ganho. O Brasil teve a chance de não ir para os pênaltis, mas contra os Estados Unidos não se pode vacilar. Infelizmente, não foi dessa vez.

Terra: Acredita que a Seleção Brasileira finalmente pode conquistar o ouro na Olimpíada de 2012, em Londres?
Sissi:
Depende do que estão planejando fazer. Sempre temos esperança, porque talento o Brasil tem de sobra. Mas precisa se organizar. Um país que tem uma Marta deve ter mais consideração por suas jogadoras. Eu, mesmo de longe, fico na torcida pelo Brasil.

Terra: E para o futuro? Pretende continuar trabalhando nos Estados Unidos ?
Sissi:
Meu sonho é treinar uma universidade, fazer parte de uma liga universitária, mesmo que seja como auxiliar no começo. Também tenho o sonho de fazer parte da comissão técnica da Seleção Brasileira. Sei que é difícil, mas se surgir a oportunidade, será ótimo.

Fonte: http://www.terra.com.br/