São Caetano do Sul,

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Ana Paula é destaque na imprensa Venezuelana




                        Foto: web site anapaulaoliveira.com.br

Antes de ir para A Fazenda 4, Ana Paula Oliveira concedeu uma entrevista para o portal esportivo Translajugada.com da Venezuela. Para os venezuelanos Ana Paula é considerada a miss da arbitragem do futebol. Na entrevista a bandeirinha contou fatos de sua vida esportiva, comentários sobre a Seleção Brasileira e seus sonhos. Ana possui muitos fãs na Venezuela, país que na última Copa América chegou até as semifinais.
- O que te inspirou a ser árbitra assistente?
Minha paixão começou aos 14 anos, quando acompanhava meu pai, que era árbitro amador, em alguns torneios. Eu o ajudava como mesária, anotando tudo da partida. Quatro anos depois os jogadores me pediram para trabalhar com meu pai. Foi um jogo que valeu a pena.
- O que significa o futebol na sua vida?
Tudo. Amo o futebol. Foi por meio da arbitragem que sou conhecida, e sem dúvida devo muito ao esporte, tudo que sou.
- Porque o futebol e não outro esporte?
Na verdade pratiquei outros esportes como vôlei e kung-fu. Não gostava muito do futebol, era mais por influência de meu pai, mas acabei treinando e gostando muito.
- Tem algum ritual antes de entrar em campo?
Sempre faço uma oração, pedindo proteção a Deus.
- Qual é sua maior inspiração? O que te motiva dia a dia?
Minha inspiração é o futebol, o amor que tenho pela arbitragem, a esperança de construir uma família e realizar uma carreira profissional de sucesso. Creio que seja o maior desafio da mulher moderna.
- Tua família sempre te apoiou?
Não, no começo não. Com o tempo foram apoiando.
- Algum esporte favorito?
Pratico artes marciais e atualmente tenho feito muito tai chi chuan.
- Torce por algum time?
Para a seleção brasileira de futebol e o Barcelona.
- Quem é seu ídolo?
Lionel Messi. Creio que seja o homem do momento.
- O que espera do futuro?
Quero votlar a fazer um bom trabalho no campo de futebol e em paralelo construir uma carreira sólida no jornalismo.
- Quais as razões que te impulsionaram a aceitar a proposta de posar para uma revista masculina?
Minha decisão foi por minha família. Meu pai estava doente e minha mãe tinha problemas, e com isso não sabia se teria uma nova chance de oferecer algo melhor para eles. Hoje minha mãe tem uma casa, meu pai faleceu há um ano. Mas com o dinheiro consegui dar o confornto e o tratamento médico que precisavam.
- Como foi sua experiência como árbitra assistente?
Meus principais jogos foram 3 finais de Campeonato Paulista, dois jogos de Copa Libertadores e a final da Copa do Brasil em 2006.
- Acredita que ainda existe preconceito com as mulheres no futebol? Já sofreu alguma discriminação?
Creio que ainda existe o preconceito, mas cada vez menos. Eu sofri discriminação por ser mulher, no começo da carreira.
- Já esteve na Venezuela?
Infelizmente ainda não conheci o país.
- Como vê a evolução do futebol venezuelano nos últimos anos?
Tenho visto uma evolução da equipe, está aparecendo cada vez mais e tem jogadores capacitados em campo.
- Se considera a árbitra mais bonita do futebol?
(risos) Não, tem outras árbitras que também merecem elogios.
- O que achou da Seleção Brasileira na Copa América 2011?
É uma equipe em formação, com grandes talentos, mas que ainda terão que provar sua competência. E continuam sendo favoritos, embora não tenham ido bem, como os brasileiros esperavam.
- Neymar é talvez o  jogador mais importante do momento. Como vê seu futuro?
Vejo que Neymar tem os pés no chão e em seu trabalho poderá chegar a ser o melhor jogador do mundo, como Kaká, Ronaldinho, Ronaldo e Rivaldo.
- Conte a nossos leitores alguma  experiência particular que tenha passado.
Bom, uma vez um jogador me convidou para jantar e eu disse que não. Ao final no jogo, o mesmo jogador veio pedir desculpas.
- Deixe uma mensagem a todos os seus fãs na Venezuela e que sempre seguem tua carreira.
A todos os meus fãs da Venezuela agradeço o carinho e por me acompanharem dentro e fora do campo de futebol. Espero que a equipe da Venezuela tenha sucesso este ano. Muita força e determinação, em especial às mulheres que escolherem ser árbitras de futebol. Beijos a todos!

Fonte: Blog da Ana Paula / Traslajugada.com
Link: http://www.anapaulaoliveira.com.br/blogpost.php?id=125

Um comentário:

  1. É o poder da arbitragem feminina brasileira.Isso é só o começo

    ResponderExcluir